ciclovia, ciclofaixa, calçada compartilhada

janeiro 28, 2015 § Deixe um comentário

Importante saber, ainda mais entre nós ciclistas…. As vezes não sabemos… ou achamos que sabemos…

as bicicletas

ciclovia, ciclofaixa e calçada compartilhada parecem mas não são a mesma coisa. inclusive algumas são de uso facultativo, outras de uso obrigatório por parte do ciclista.

ciclovia do rio pinheiros, obra do governo alckmin (PSDB), realizada após intensa pressão de cicloativistas.

vamos primeiro entender o que são cada uma delas, de acordo com o código brasileiro de trânsito:

CICLOVIA – pista própria destinada à circulação de ciclos, separada fisicamente do tráfego comum. (anexo I, dos conceitos e definições, do CTB)

CICLOFAIXA – parte da pista de rolamento destinada à circulação exclusiva de ciclos, delimitada por sinalização específica. (anexo I, dos conceitos e definições, do CTB)

CALÇADA COMPARTILHADA – calçada, passeio, onde, de acordo como artigo 59 do CTB, foi autorizado o trânsito de bicicletas.

pois bem. notou que ciclovia e ciclofaixa são de circulação específica de bicicletas? já a calçada compartilhada não.

o artigo 58 do CTB diz:

Art. 58. Nas…

Ver o post original 321 mais palavras

Anúncios

Convivência e Compartilhamento

janeiro 28, 2015 § 2 Comentários

Estava eu almoçando agora mesmo em um ótimo restaurante vegetariano em Osasco, quando começou um papo na mesa ao lado com criticas à ciclovia da PMSP (Haddad) instalada na Av. Corifeu de Azevedo Marques.
Eu também tenho minhas criticas a esta ciclovia especificamente, mas não resisti em ir conversar com as pessoas da mesa ao lado, quando uma delas disse que não vê ninguém indo ao trabalho de bicicleta.
Acontece que eu e alguns outros ciclistas de Osasco estamos começando um trabalho de conversa e ação junto ao poder público de Osasco. E uma das tarefas que nós ciclistas ficamos incumbidos foi de elaborar uma contagem de ciclistas em horários de pico em grandes vias de nossa cidade.
E justamente hoje, 28/01/2015, eu, Shauan, estive contando ciclistas e anotando informações como sentido, uso de capacete, tipo de bike e se estavam na contramão, na Av. Dos Autonomistas em um ponto do Km18. E qual não foi minha surpresa quando em duas horas de anotações eu registrei 98 ciclistas na via.
Em duas horas (das 6h as 8h a.m.) eu achei um numero bastante grande.
Bem, fui lá até a mesa ao lado contar este número a eles e contar que estamos nos articulando para que em Osasco façamos a convivência entre os modais acontecer com o máximo de cuidado e planejamento possível.
Convivência, planejamento, eis as grandes palavras…

PS. Esta contagem de ciclistas será feita em outros pontos da cidade e quando estiver devidamente organizada será divulgada.
Se quiser se juntar a nós nesta causa, neste novo relacionamento com a cidade, basta me escrever…

PS 2. Comi no restaurante vegetariano Flor de Liz (dados logo abaixo). Comida ótima e deixaram eu colocar a bike dentro do restaurante, pois eu me esqueci de trazer meu cadeado. E ao sair deixei meu agradecimento por escrito no caderno de sugestões, assim como sugeri a instalação de paraciclos em uma calçada ótima que existe na frente do espaço. Me deixei à disposição para indicar modelos e formatos de paraciclos.

Cicloabraço a todos e a todas.

image

image

image

Shauan Intermodal e Convivência

janeiro 22, 2015 § 3 Comentários

Um salve a todos…

Amigos leitores, vocês notarão que este blog passará por uma leve transição, muito positiva por sinal.

Acontece que a cada dia tenho conseguido usar mais e mais a bike como meio de transporte, no dia a dia mesmo, não apenas para os passeios domingueiros tão gostosos, ou para as grandes viagens nos períodos de férias.

Fato é que junto com este movimento pessoal de usar a bike todo dia para minha mobilidade, uma questão importante vem à tona. A questão da falta de estrutura para os ciclistas.

A cidade de São Paulo está caminhando, talvez não da maneira mais ideal, mas ainda assim está caminhando, rumo a uma maior conscientização de que a via é de todos, embora pareça (e simplesmente pareça) que ela é só para os carros, ônibus e afins.

Não sou contra o carro, eu uso muito, mas é preciso se repensar as grandes cidades, como já vem acontecendo fora do Brasil. O colapso já está instalado, não temos para onde correr, temos de mudar. E um dos caminhos é a integração entre diversos modais de locomoção, entre eles a bicicleta.

Vejam esta matéria sobre cidades mudando radicalmente: http://goo.gl/sUHfDe

Então vocês perceberão que este blog conterá algumas mensagens que poderão ser entendidas como “cicloativismo”, mas deixo claro que o ativismo aqui não é para sobrepor um meio de locomoção em detrimento de outro. Não quero que a bike reine absoluta, eu quero convivência saudável, direito de ir e vir etc, etc, etc… (muitos papos ainda virão e poderemos nos encontrar pessoalmente para falar sobre… me convidem..rs)

Bem, hoje eu fiz uma coisa bastante interessante, pela primeira vez uni alguns modais de locomoção em um mesmo trajeto, num mesmo dia. E eu me senti muito bem com isso.. Me senti saindo de uma bolha, me senti colocando meu discurso em prática, me senti satisfeito, feliz mesmo.

Foi uma ação simples, pequenina, mas gratificante para mim e para as coisas que ando lendo, ouvindo e acompanhando dos cicloativistas com mais tempo de pedal que eu.

Hoje tive de sair da minha casa, em Carapicuíba/SP e ir até o bairro da Vila Olímpia em São Paulo. E para tanto eu segui o seguinte roteiro:

Minha Bike = de Carapicuíba até a Estação Osasco da CPTM em Osasco/SP
Trem = da Estação Osasco até a Estação Vila Olímpia da CPTM em São Paulo/SP
Bike do Bradesco (empréstimo) = da Estação Vila Olímpia em São Paulo até o meu destino final no mesmo bairro, alguns quilometros à frente.

Na volta fiz exatamente o mesmo percurso.

Confesso, me senti muito bem fazendo um percurso um pouco mais longo, e que a poucos anos atrás não me ocorreria de maneira nenhuma fazer de outro meio senão apenas de carro, ônibus ou trem. Fiquei feliz. Talvez eu tenha feito o trajeto com um sorriso no rosto, notei pessoas me olhando estranhamente (kkkkkkkk)…

E no começo do percurso, quando cheguei na Estação Osasco da CPTM, qual não foi minha surpresa quando não havia vagas para eu guardar minha bike… Gelei, pois eu não conseguia imaginar como guardar minha bike, e eu tinha horário para pegar o trem, senão não chegaria na hora combinada em meu destino. Uma reunião importante me esperava.

Tive sorte, uma pessoa apareceu para retirar sua bike, liberando uma única vaga que eu utilizei. Embora outros dois ciclistas tenham ainda ficado por lá esperando que mais alguém liberasse espaço no bicicletário da CPTM.

E a pergunta que eu faço é: De onde estão vindo estes 166 ciclistas que lotaram este bicicletário? Quem são estas pessoas, de onde vem e para onde vão? Quantos dias na semana fazem este trajeto, quantas ruas perigosas e cheias de ônibus não os afligem no trajeto? Quantas mães (como a minha) não estão com os corações apertados por saberem que seus filhos estão na via com motores muito mais pesados do que a bike? quantas mulheres, filhos etc etc ???

Bem, é preciso um Plano Cicloviário para todas as cidades brasileiras, sobretudo para os grandes centros urbanos que estão caóticos quanto a mobilidade e tantos outros assuntos.

Mas está começando um movimento interessante de conversas/ações entre nós ciclistas e o poder público, um embrião que está crescendo e portas começam a sinalizar que vão se abrir. Logo menos contarei para vocês sobre este movimento, pacífico, bonito e organizado que estamos começando. E claro, contarei com a ajuda de todos…..

Seguem umas fotinhas do rolê intermodal de hoje.

Ciclobeijos a todos.

Bicicletário da Estação Osasco CPTM completamente LOTADOOOO – Não há vagas…rs

Bikes do Bradesco, pedalei menos de 30 minutos, então não pagarei nada pelo empréstimo. Gostei do serviço.

FELIZ – Rá

 

Aos Motoristas – Priorizando a Vida

janeiro 20, 2015 § 2 Comentários

Texto para meus contatos do Facebook e que são motoristas.

Amigos motoristas, motociclistas e afins, segue um link muito importante para que possamos entender (tanto ciclistas como motoristas) a compartilhar as vias de nossa cidade.

Todos sabem que uso a bicicleta como meio de transporte e não apenas para lazer, então peço a ajuda de vocês para que estejamos todos sintonizados e em harmonia.
A lei está explicadinha neste link, os direitos e deveres de todos os lados para um bom convívio. Mas ela nem seria necessária se tivéssemos bom senso e valorizássemos mais a vida do que a pressa…
Mas bem, a lei está aí também para nos instruir, pois nesta nova fase que estamos vivendo na grande SP, onde os modais de transporte estão começando a interagir mais efetivamente, é normal surgirem dúvidas de como proceder e de quem é a vez ou a prioridade.

Mas que a gente sempre valorize e priorize a vida, sua pressa não vale mais que isso.

E claro, o convite a pedalar é permanente, se vocês precisarem de ajuda para comprar uma bike, para montar um roteiro de passeio ou roteiro para ir ao trabalho, estou totalmente à disposição sempre. Gratuitamente..rs

Experimentem desacelerar, ver o dia a dia com outros olhos, em outro tempo e com vento no rosto… o encantamento é imediato, basta abrir as portas e janelas da alma para outro modo de vida…

E aqui o link com as diretrizes sobre Bike e Carros na via: http://vadebike.org/2004/08/o-que-o-codigo-de/

E aproveito para divulgar o link deste documentário tão interessante e imperdível:
https://www.youtube.com/watch?v=JODEGNxS4CU

CicloBeijos para todos…

Shauan

#valoresestranhos

março 10, 2014 § Deixe um comentário

01valoresestranhos

Pedal por SP – Indo ao Trabalho em Pinheiros

dezembro 8, 2013 § 2 Comentários

idosos-ciclismo

Shauan e Tati daqui a uns aninhos… rsrsrs

Sabe, não sei se estou ficando velho, o que de fato estou, ou se estou apenas brigando menos com a vida e buscando mais saúde mental e física…rs

Acontece que estou a cada dia mais querendo e pedalando para ir ao trabalho, mas cansei de me agitar mentalmente (negativamente). Tenho percebido que, embora seja possível pedalar entre os carros, ônibus, caminhões e todos os veículos motorizados (que não conseguem compartilhar a pista com um ciclista), eu me canso muito mentalmente, mas muito mesmo, pois existe muita tensão e atenção necessárias para que se possa chegar aos lugares.

Eu chego exausto em meus destinos, mas não pelo pedal, pois já adquiri boa resistências para subidas e buracos da cidade, mas me sinto muito cansado mentalmente devido ao tanto de movimento mental que é preciso para se livrar da irresponsabilidade de todos, sim de TODOS os motoristas, pois existe falta de informação, falta de conhecimento do Código de Trânsito que me dá sim o direito de ir e vir de bike, mas esta falta de informação gera irresponsabilidade completa.

Bem, resumindo a história, eu não vou deixar de pedalar no trânsito, mas, além de buscar as rotas alternativas, fora das grandes avenidas etc etc, vou alternar muito mais entre os modais bicicleta e a pé, ou seja, nas vias de cruzamentos muito chatos, não vou me estressar e tentar enfiar na cabeça dos motoristas que eu tenho o direito de estar lá, eu simplesmente vou andando.

E agora vou escrever algo que talvez deponha contra mim e minhas iniciativas de ciclista responsável com a filosofia de vida de um biker, mas eu vou declarar, aqui, agora, aos 4 ventos que:

Vou pedalar em algumas calçadaaaaaaaaasssssssss (leiam isto aos gritos e em bom tom kkk)

Calma, não será nenhum abuso, mas eu descobri que existem muitas calçadas não habitadas em meu trajeto para o trabalho, sim, acreditem, existem trechos consideráveis de calçadas que passam 1 única alma viva a cada muitas horas, e eu não vou perder tempo e me cansar mentalmente, vou utilizar estas calçadinhas como minha ciclovia particular….

Acontece que  vou ligar o Bom Senso no nível máximo, é claro, vou pedalar nestas calçadas priorizando os pedestre ao extremo e no caso de alguma movimentação eu salto da bike e vou andando a pé com os pedestres do local. E tenho dito.

Ontem, sábado, dia 07/12, dia do meu aniversário, fui até a Casa do Brincar em Pinheiros, saindo de minha casa em Carapicuiba e já praticando este novo formato, pedalei como pedestre e como ciclista, além de aproveitar algumas calçadas sem trânsito de pessoas.

Foi maravilhoso, minha mente se divertiu com o pedal, pude pensar em outras coisas, pensar no pedal, na próxima cicloviagem, pensar nos afazeres do dia, no show de amanhã, tudo isto sem esquentar com os desesperados do trânsito, pois não tem como não generalizar, infelizmente as pessoas não estão percebendo que são completamente desesperadas no trânsito, o mundo dentro de um carro não deixa as pessoas curtirem nada, estão sempre atrasadas, sempre.

Enfim, desabafos de lado, este é o Shauan versão 2014, menos stress, mais pedal, mais trechos a pé e mais cicloviagens se Deus quiser.

Outra coisa que preciso registrar, comigo não está funcionando a ideia de assumir a pista quando estiver entre os carros.

Embora até a CET indique que o melhor é o ciclista assumir a pista, para que os carro não o espremam na sarjeta, comigo esta tática só funciona quando estou com mais gente pedalando comigo, quando estou sozinho tem sido muito pior, ou seja, se fico próximo à sarjeta (mas não nela), muitos motoristas desviam um pouco de mim e me ultrapassam, maravilha.

Mas quando assumo a pista, a quantidade de gente altamente irritada e que quase me derruba e empurra é muito grande, eles tiram finas de mim, gritam a plenos pulmões que eu devo ir para o canto etc etc..

Ou seja, a falta de informação é tão grande, a falta de vontade de mudar e de entender o código de trânsito é tão grande, e a escolha pela morte do ciclista é tão intensa (sim, eu penso que estas pessoas escolhem matar alguém a chegarem atrasadas em seus destinos) que infelizmente o melhor, ao pedalar sozinho, é ficar mais próximo à sarjeta e ativar o plano Shauan 2014, com mais rotas alternativas, mais calçadas e mais trechos a pé.

Eu sei que tenho que fazer algo pra mudar o mundo e que fugir dos carros não é a melhor opção, mas infelizmente quem pode se machucar feio sou eu, sempre será eu.

Dica: para ir para Pinheiros, vindo de Osasco, vá pela Super Avenida, depois passe pela UniFieo e na Vila Yara vá pelo Balão do Jaguaré e desça a Av. Bolonha (descida deliciosa), depois ultrapasse o Viaduto do Jaguaré a pé, empurrando a bike, pois é muito perigoso o convívio com os caminhões e ônibus neste viaduto que está sempre lotado.

E na frente do Parque Villa Lobos pegue a pista de cooper que está no canteiro da Av. Prof. Fonseca Rodrigues e vá direto, sem sair dela até Pinheiros e você pode inclusive emendar com a Av. Faria Lima se este for o seu destino.

Na pista de cooper dê muitos bons dias para as pessoas que estão correndo, para outros ciclistas estilosos, sim, lá temos muitos ciclistas com estilo, bikes lindas, alforges gringos, capacetes franceses e gente com cachorrinho perfumado.. olha só que delícia…rs tudo de bom…

Vejam o mapa deste percurso.

É isto turma.

Bom pedal a todos. E cuidem-se pois estamos no mundo das máquinas, no exagero, mas acredito muito que o futuro é o índio, nós vamos chegar lá.

Shauan

O Mundo na Sarjeta

novembro 14, 2013 § 1 comentário

Ontem eu pedalava em direção a faculdade, por uma avenida muito movimentada e que estava completamente às escuras. Algum problema da Eletropaulo deixou um bairro inteiro no breu.
Redobrei a atenção pois não havia semáforo, já eram 20h30 e os motoristas não me veriam de bike com facilidade, mesmo com meus piscas ligados.
A certa altura levei um susto, pois havia um homem dormindo na sarjeta, completamente escondido pela escuridão e em uma posição tão complicada que, ao menor movimento um de seus braços cairia em direção à rua em um trecho onde passam ônibus em alta velocidade.
Depois do susto parei a cerca de 10 metros onde, em um posto de gasolina, vi um frentista. Perguntei se ele havia visto aquele homem dormindo e ele me respondeu que sim e que tratava-se de um bêbado.
Convidei o frentista para me ajudar a tirar o homem da sarjeta, mas recebi o silêncio como resposta.
Fui lá, puxei o homem pelo braço pra cima da calçada, subi em minha bike e fui embora com meu silêncio.
Não sei por quem eu rezo mais, se pelo alcoolizado ou pelo frentista.

Bom feriado a todos…

Shauan Bencks

Onde estou?

Você está navegando atualmente a trânsito categoria em Shauan de Bicicleta.